domingo, 12 de setembro de 2010

Copa na Ásia é marcado por zebras

Quando se soube que Japão ou Coréia sediariam o mundial de 2002, os dirigentes da FIFA ficaram divididos como nunca se viu antes. Isso porque os dois países apresentavam uma estrutura fenomenal para o torneio.

Escolher apenas um dos dois seria uma decisão dramática. O país não eleito seria injustiçado, qualquer que fosse a decisão, por isso, a FIFA tomou uma atitude inédita. Ao anunciar que a Copa do Mundo de 2002 seria sediada por ambos os países, o mundo do futebol foi pego de surpresa.

A notícia agradou gregos e troianos, ou melhor, japoneses e coreanos, mas ainda levantava suspeitas sobre sua organização. Hoje, podemos aplaudir de pé os dois países asiáticos. A organização e o evento foram tão sublimes que, desde então, inúmeros outros torneios passaram a ser sediados em mais de um país, como as Euros na Áustria/Suíça e a da Holanda/Bélgica.

Zebras asiáticas
A competição foi marcada pelos resultados inesperados. A começar pelo jogo de abertura, no qual, a França (até então, atual campeã) foi superada pelo Senegal, que realizou seu primeiro mundial. A França fez a pior campanha de um campeão mundial defendendo o título.

Vale lembrar que os franceses não passaram da primeira fase, assim como os argentinos, deixando muitos apostadores frustrados.

Os senegaleses chegaram até as quartas-de-final, onde foram vencidos apenas na morte súbita por outra surpresa, a Turquia.

Portugal também foi uma decepção. No grupo que tinha Polônia, Estados Unidos e Coréia do Sul, poucos acreditavam que Polônia e Portugal não avançariam, no entanto, ambos ficaram na primeira fase. Os coreanos, aliás, chegaram até a semifinal e terminaram o torneio em quarto lugar. O melhor desempenho de um país asiático em Copas do Mundo.

Pelo caminho até a semifinal, os sul-coreanos deixaram para trás a Espanha (em jogo muito polêmico, é verdade) e a Itália, em outro jogo polêmico, pois no gol de ouro, a Itália teve um gol anulado.

Curiosidades
Por incrível que parece os dois maiores finalistas de Copa do Mundo, Brasil e Alemanha, só se encontraram em Copas em 2002; e foi justamente na Final. Até então, os dois países nunca tinham se enfrentado num mundial.

Desde 1974, o artilheiro da Copa não marcava mais de seis gols. Em 2002, ROnaldo marcou oito, quebrando este tabu.

O turco Hakan Sukur marcou o gol mais rápido da história das Copas. Foi na decisão de terceiro lugar contra a Coréia aos 11 segundos.

Após marcar o gol que eliminou a Itália da Copa, o sul-coreano Ahn foi demitido do Peruggia (clube italiano que jogava).

A Itália teve cinco gols anulados no mundial, um recorde.

Além do Brasil, campeão, Holanda e Espanha foram eliminados invictos.

Nenhum comentário:

Leia Também

Os internautas também curtiram