domingo, 17 de outubro de 2010

Ficha dos jogos da seleção na Copa de 2006

13/06/2006 - Estádio Olímpico (Berlin)
Árbitro: Benito ARCHUNDIA (MEX)
Gol: KAKA (BRA) 44'
Brasil
[1] DIDA (GK)
[2] CAFU (C)
[3] LUCIO
[4] JUAN
[5] EMERSON
[6] ROBERTO CARLOS
[7] ADRIANO
[8] KAKA
[9] RONALDO (-69')
[10] RONALDINHO
[11] ZE ROBERTO
[23] ROBINHO (+69')

Croácia
[1] Stipe PLETIKOSA (GK)
[2] Darijo SRNA
[3] Josip SIMUNIC
[4] Robert KOVAC
[5] Igor TUDOR
[7] Dario SIMIC
[8] Marko BABIC
[9] Dado PRSO
[10] Niko KOVAC (C) (-41')
[17] Ivan KLASNIC (-56')
[19] Niko KRANJCAR
[16] Jerko LEKO (+41')
[18] Ivica OLIC (+56')
18/06/2006 - Allianz Arena (Munique)
Árbitro: Markus MERK (ALE)
Gols: ADRIANO (BRA) 49', FRED (BRA) 90'
Brasil
[1] DIDA (GK)
[2] CAFU (C)
[3] LUCIO
[4] JUAN
[5] EMERSON (-72')
[6] ROBERTO CARLOS
[7] ADRIANO (-88')
[8] KAKA
[9] RONALDO (-72')
[10] RONALDINHO
[11] ZE ROBERTO
[17] GILBERTO SILVA (+72')
[21] FRED (+88')
[23] ROBINHO (+72')
Austrália
[1] Mark SCHWARZER (GK)
[2] Lucas NEILL
[3] Craig MOORE (-69')
[4] Tim CAHILL (-56')
[5] Jason CULINA
[6] Tony POPOVIC (-41')
[7] Brett EMERTON
[9] Mark VIDUKA (C)
[13] Vince GRELLA
[14] Scott CHIPPERFIELD
[21] Mile STERJOVSKI
[10] Harry KEWELL (+56')
[15] John ALOISI (+69')
[23] Marco BRESCIANO (+41')

22/06/2006 - Fifa Stadium (Dortmund)
Árbitro: Eric POULAT (FRA)
Gols: Keiji TAMADA (JPN) 34', RONALDO (BRA) 45'+1, JUNINHO PERNAMBUCANO (BRA) 53', GILBERTO MELO (BRA) 59', RONALDO (BRA) 81'
Brasil
[1] DIDA (GK)(C) (-82')
[3] LUCIO
[4] JUAN
[8] KAKA (-71')
[9] RONALDO
[10] RONALDINHO (-71')
[13] CICINHO
[16] GILBERTO MELO
[17] GILBERTO SILVA
[19] JUNINHO PERNAMBUCANO
[23] ROBINHO
[12] ROGERIO CENI (GK) (+82')
[11] ZE ROBERTO (+71')
[20] RICARDINHO (+71')
Japão
[23] Yoshikatsu KAWAGUCHI (GK)
[7] Hidetoshi NAKATA
[8] Mitsuo OGASAWARA (-56')
[10] Shunsuke NAKAMURA
[11] Seiichiro MAKI (-60')
[14] Alessandro SANTOS
[17] Junichi INAMOTO
[19] Keisuke TSUBOI
[20] Keiji TAMADA
[21] Akira KAJI
[22] Yuji NAKAZAWA (C)
[6] Koji NAKATA (+56')
[9] Naohiro TAKAHARA (+60')(-66')
[13] Atsushi YANAGISAWA
[15] Takashi FUKUNISHI
[16] Masashi OGURO (+66')

27/06/2006 - Fifa Satadium (Dortmund)
Árbitro: Lubos MICHEL (SVK)
Gols:RONALDO (BRA) 5', ADRIANO (BRA) 45'+1, ZE ROBERTO (BRA) 84'
Brasil
[1] DIDA (GK)
[2] CAFU (C)
[3] LUCIO
[4] JUAN
[5] EMERSON (-46')
[6] ROBERTO CARLOS
[7] ADRIANO (-61')
[8] KAKA (-83')
[9] RONALDO
[10] RONALDINHO
[11] ZE ROBERTO
[17] GILBERTO SILVA (+46')
[19] JUNINHO PERNAMBUCANO (+61')
[20] RICARDINHO (+83')

01/07/2006 - Frankfurt (Frankfurt)
Árbitro: Luis MEDINA CANTALEJO (ESP)
Gol: Thierry HENRY (FRA) 57'
Brasil
[1] DIDA (GK)
[2] CAFU (C) (-76')
[3] LUCIO
[4] JUAN
[6] ROBERTO CARLOS
[8] KAKA (-79')
[9] RONALDO
[10] RONALDINHO
[11] ZE ROBERTO
[17] GILBERTO SILVA
[19] JUNINHO PERNAMBUCANO (-63')
7] ADRIANO (+63')
[13] CICINHO (+76')
[23] ROBINHO (+79')
França
[16] Fabien BARTHEZ (GK)
[3] Eric ABIDAL
[4] Patrick VIEIRA
[5] William GALLAS
[6] Claude MAKELELE
[7] Florent MALOUDA (-81')
[10] Zinedine ZIDANE (C)
[12] Thierry HENRY (-86')
[15] Lilian THURAM
[19] Willy SAGNOL
[22] Franck RIBERY (-77')
[9] Sidney GOVOU (+77')
[11] Sylvain WILTORD (+81')
[14] Louis SAHA (+86')

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Seleção conturbada cai nas quartas

Cheia de polêmicas, a seleção brasileira que disputou o mundial de 2006 não passou das quartas-de-final, quando caiu, mais uma vez, frente aos franceses.

Pode-se dizer que desde a nomeação de Parreira para o cargo de treinador, as controvérsias começaram. Muitos não acreditavam que ele era o nome ideal para levar o Brasil a mais um título mundial.

Ainda assim, o Brasil chegou ao campeonato com forte cotação para levantar a taça. Inclusive, alguns comentaristas ainda acreditavam que Ronaldinho poderia se comparar a Pelé na história do futebol. Há que dizia que já era melhor que o rei.

Mais uma vez, a história mostrou que ninguém pode chegar a este patamar. Após o mundial, Ronaldinho sequer foi cotado entre os melhores do mundo.

Antes do mundial, muito se questionava as farras no grupo e os atletas acima do peso, principalmente Ronaldo e Adriano.

Furiosa a CBF dificilmente divulgava o peso correto dos atletas, causando indignação na imprensa e dúvidas na torcida.

De "quadrado mágico" para "quadrado trágico"
Antes da competição, Parreira ousou ao escalar a seleção com quatro jogadores excelentes na parte ofensiva: Kaká, Ronaldinho, Ronaldo e Adriano. Ainda se cogitava a escalação de Robinho na formação de um possível "quinteto mágico".

No primeiro jogo da Copa ficou claro que a campanha não seria tão fácil como parecia. A vitória contra a Croácia só foi obtida com um chute a meia distância de Kaká. O "quarteto mágico" não foi brilhante.

No segundo jogo, a fraca Autrália apresentava condições ideais para a consagração do quarteto. Não foi dessa vez. Vencemos por 2x0, com um gol aos 90 minutos do segundo tempo, marcado por Fred.

Contra o Japão, o primeiro tempo foi apertado (1x1), mas a segunda etapa foi mais promissora.
Vitória por 4x1, no entanto o quarteto ainda não decolara.

Nas oitavas, a seleção de Gana poderia apresentar alguma resistência, mas a seleção de Parreira soube se impor e obteve a primeira vitória que convenceu a torcida - 3x0.

Enfim, a primeira pedreira chegou nas quartas-de-final. Muitos relembravam o duelo entre Ronaldo ( o fenômeno) e Zidane, remontando a Final de 98. Mais uma vez, o "carequinha" se deu melhor.

A França venceu por 1x0 e pôs fim ao sonho do hexa. O "quarteto mágico" iniciou a competição como o melhor quarteto ofensivo do mundo e terminou com todos os jogadores a beira da aposentadoria.

Ronadinho Gaúcho, decaiu em seus clubes e passou a ser figurinha de troca. Ronaldo (o fenômeno) sem espaço na Europa voltou ao Brasil. Adriano saiu da Inter de Milão, chegando a ameaçar que nunca mais jogaria futebol. Meses depois assinou com o Flamengo. E Kaká, pela juventude, ainda resistiu às críticas, se mantendo em alta forma nos clubes, embora nunca tenha tido na seleção um desempenho que se esperava. Ainda podemos citar Robinho, que sonhava em um dia ser o melhor do mundo, mas que perdeu espaço na Europa e três anos depois desta Copa, voltou ao Brasil.

Um fim melancólico e tristes para aqueles que prometiam entrar na história como a melhor formação ofensiva da seleção Canarinho.


Leia Também

Os internautas também curtiram