terça-feira, 31 de julho de 2012

Sediar a Copa e Olimpíadas a qualquer custo realmente vale a pena?


Enquanto torcemos pelos atletas brasileiros em Londres, fico pensando como será em 2016. Minha preocupação não é sobre a organização ou desempenho brasileiro. Fico me remoendo imaginando que todo o superfaturamento e corrupção que aconteceu no Pan do Rio deve ocorrer de novo em 2016, mas em escala ainda maior. Sem falar da Copa do Mundo, que envolve não só uma cidade, mas o país inteiro.

Quando vejo entrevistas de políticos falando de emprego, turismo e investimento que devem acontecer tenho a sensação que estão maquiando um grande esquema de corrupção.

Não se engane, o legado do Pan; foi dinheiro jogado no lixo. Como mostra um estudo realizado pela PUC. Já escrevi um post sobre o abandono dos prédios do Pan. E estamos caindo - aliás, já caímos - na mesma ladainha.

O maior exemplo de superfaturamento foi o Engenhão, que saiu seis vezes mais caro que o previsto, conforme apurado pela Rede Record.. Imagine durante a Copa quanto dinheiro não será desviado. Sem falar de leis e cidadãos que estão sendo ignorados para servir vaidades eleitoreiras.

Aliás, o Itaquerão - nada contra o Corinthians ou seus torcedores - já está sendo construído de forma questionável, mas não espere para ver denúncias na Globo, nem matérias apontando o lado negro disso tudo.

Será que estamos tão alienados que estamos orgulhosos de sediar a Copa e a Olimpíadas a ponto de ignorar a corrupção e o abuso de poder? Será que estes eventos são mais importantes que nossas próprias vidas, que o desenvolvimento do país?

Estamos tão orgulhosos de sermos um país em ascensão , mas continuamos com um pensamento atrasado no qual temos mais orgulho de sediar uma Copa do que de ter uma Educação ou Saúde avançada. Parece que sediar uma Copa nos fará um país sem pobreza e sem corrupção - pobre de nós!

domingo, 22 de julho de 2012

Qual o poder da tal "concentração"?

Nesta semana a seleção de basquete feminino anunciou o corte da jogadora Iziane por indisciplina. Ela teria levado o namorado para a concentração. A jogadora já deixou a concentração da seleção que disputará as Olimpíadas de Londres e retornou para casa.

O que me faz refletir sobre essa tal de "concentração". Sou leigo no assunto psicológico, mas algumas análises e leituras sobre o assunto fizeram-me indagar se realmente é justo uma atleta se cortada do sonho olímpico por dormir com o namorado.

Sem meio termo
Claro que as tais concentrações possuem aspectos positivos, caso contrário já teriam sido abandonadas, mas acho que são tantos negativos também a ponto de me fazerem crer que algumas mudanças nas tradicionais concentrações deveriam ser pensadas.

Vejo tantos exageros e severidade, que mais parecem questão de ditadura que de motivação esportiva. Algumas vezes vejo tanto pedantismo que me pergunto se técnicos e auxiliares realmente sabem o que estão fazendo. Será que vetar twitter fará de uma equipe um time campeão.

Tantas exigências acabam, muitas vezes, influenciando mais de forma negativa que positiva. Os atletas ficam entediados, algumas rixas internas aparecem, muitas das regras são banais, pensamentos de trabalho diferentes geram conflitos e "rachas"...

Copas de 2006 e 2010
Levando para o lado do futebol, você lembra das seleções de 2006 e 2010? Lembra da concentração que tiveram? Afinal de contas, fez diferença?

Na Copa da Alemanha foi aquela palhaçada que deu no que deu. O mais curioso é que se tratava da mesma comissão técnica de 1994. Mas parece que a tal concentração não fez tão bem assim.

Depois, na África do Sul, a mesma ladainha, incluindo jogadores exigindo vídeo games. E Dunga com aquele super "bom humor" comandando tudo. Aparentemente, uma concentração tão profissional não levou a seleção brasileira mais longe que uma quartas-de-final.

Amadores querendo ser profissionais
Para mim tudo isso me parece muito familiar com a cidade onde moro: Guarujá. Costumo dizer que os comerciantes daqui se acham empresários. O mesmo vale para essas comissões técnicas com teorias e regras de "professor Pardal". São leigos no assunto querendo se impor para se tornarem maiores que os times os quais dirigem.

Concentração não é o que fará de um time melhor ou pior que o outro, é um processo para um grupo participar de um jogo ou competição de forma que facilite a comunicação interna do grupo, haja uma boa alimentação, alguns objetivos sejam traçados...

O que me levou a escrever este post é a minha indignação ao ver a falta de bom senso e equilíbrio desses "campos de concentração" disfarçados processos profissionais.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Cobertura esportiva no Uruguai parece mais diversificada que aqui

Alguns dias no Uruguai foram suficientes para perceber algumas diferenças na mídia e cobertura jornalística entre lá e cá. Como não moro por lá não posso cravar que a cobertura esportiva no Uruguai é melhor que a nossa, mas gostei de algumas coisas que vi por lá.
Futebol disputa espaço com vários outros esportes

Baseio minha análise pelo o que vi nos canais de tv de lá e pelo o que li nos principais jornais do país: Observatório e El país.

Apesar da pouca tradição olímpica - em toda história das olimpíadas eles só conquistaram dez medalhas - os assuntos abordados nos jornais são bem mais diversificados que nos jornais daqui.

Claro que o maior espaço é direcionado ao futebol e aos principais times de lá - Nacional e Peñarol - no entanto, vale ressaltar que os jornais dão ampla cobertura a outros esportes como o basquete, rugby, ciclismo. Eles dedicam muito mais espaço aos outros esportes do que os jornais brasileiros.

Acredito que isso até seria um impulso para os demais esportes no Brasil. Claro que não levo em consideração os canais por assinatura como Sportv ou ESPN, que têm uma grade bem diversificada, mas a tv aberta no Brasil ainda tem uma visão muito limitada na cobertura esportiva.

Como seria bom uma tv aberta cobrindo um torneio de ciclismo, judô, natação, nado sincronizado ou meeting de atletismo com frequência. Certamente isso também atrairia investidores e patrocinadores aos atletas e equipes.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

What will be the lagancy of World Cup and Olympics? Neglect

Talking about Olympic Games and World Cup in Brazil, I already wrote about the strenghts: employment, tourism and investiment. Today I want to talk about negligence - We saw that in 2007, after the Pan-American Games.


In 2007, the Pan American Games was in Rio de Janeiro, and a lot of bad thing happened. The Pan American was a shame, not about organization, but about money, corruptions and bad administration.

Almost of buildings are abandoned now. This means, that our money went into trash. Millions to the trash.  This money could be used for schools, hospitals, roads. But the government built a lot of things that are useless and want do it again.



Abandoned buildings
First example: The velodrome – the cycle track – cost fourteen million reais. Now it is abandoned. It’s a trash. The reform of cycle track will cost the same like a new one. Other example is the Aquatic Park Maria Lenk. Today, this million dollar's investiment, is also abandoned. Useless.

The Olympic Village - built for Pan-American Games - couldn't be used for the Olympics and was sold like a condominium. Why a lot of buildings that can not be used again? It's stupid. I can remember one detail: to build the Olympic Village in 2007, the village was overpriced by R$ 10 million.

In 2007, millions of dollars went to trash and I believe that the money for 2014 and 2016 will go to trash too. My money, the brazilian citizen's money into trash - I mean, into the politic's pocket.

My next text will be about the corruption: the braszilian specialty.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Os melhores venceram

Os #anti que se descabelem, mas sinceramente acredito que o título da Libertadores deste ano, de fato, ficou com o melhor time da competição. Falar o que de um time campeão invicto?

E pensar que tudo começou com a eliminação para o Tolima no ano passado. A decisão de manter o treinador Tite, coisa que nenhum outro clube faria, foi brilhante e corajosa e o @Corinthians colheu os frutos de uma decisão difícil mas coerente.

Algum jogador merece ser seleção?
Pode não ter uma estrela como Neymar, Lucas ou Damião, mas o elenco, na minha opinião, é muito bom e acredito que alguns jogadores até mesmo poderiam ter algumas chances na seleção, pois são melhores que alguns que Mano Menezes vem utilizando.

O goleiro Cássio, em alguns meses, passou de terceiro goleiro para titular e mostrou ser um goleiro seguro e inteligente. Gostei muito dos jogos que ele fez até aqui.

Os zagueiros são seguros e inteligentes. Para mim Chicão, há um bom tempo, merecia uma chance na seleção. Castán não é um lord mas não é um "arranca-toco". Está na média.

Os laterais não são geniais, mas estão, mesmo assim, acima da média no Brasil. São seguros e não ficam inventando. Ideais para uma Libertadores.

Os volantes Ralf e Paulinho, esses sim, para mim mereciam uma chance na seleção. Os dois jogam muito bem juntos e deveriam ganhar algumas convocações. Para mim, desde que Hernanes passou a atuar como meia, Ramires não tem nenhum companheiro à altura. Ralf e Paulinho seriam uma boa opção. São muito melhores que Sandro.

Os meias Danilo e Alex já viveram dias melhores, mas são indispensáveis. Danilo é muito lento, mas tem compensado com disposição e gana (o que não tinha no São Paulo). Já Alex é outro que eu já teria convocado para a seleção. Não sei se hoje pela idade, mas nos jogos que vi, ele tem jogado melhor que Jadson, Fernandinho (Shaktar), Ronaldinho e até Ganso - em algumas épocas - e outros meias convocados por Mano.

Dentre os atacantes, mina ressalva seria para o Emerson. Não acho que tem futebol para ser titular, mas o cara arrebentou, então #deixaquieto. Já Jorge Henrique eu acho muito bom - desde o Botafogo - e entraria na minha lista de convocáveis para a seleção. Para mim, ele é muito melhor que Hulk e Robinho, que são "preferência nacional".

Fora os titulares, os reservas entram muito bem e o time não cai de qualidade com as substituições. Tudo isso comandado por um treinador muito inteligente e calmo só poderia terminar em coisa boa. Aliás, já tinha rendido o título nacional, mas o elenco era forte para chegar mais longe e chegou.

Caminho difícil
E dizer que o Timão foi campeão invicto porque teve um caminho fácil não é coerente.

O time passou pelo Vasco, pelos ex-campeões santistas (que estavam ficando chatos e soberbos - jogadores e torcedores) e ainda derrotaram na Final o algoz de todo time brasileiro: Boca Juniors. Se tem um time que todo torcedor brasileiro gostaria de vencer na Final, é o Boca, e o Corinthians teve essa honra.

E por falar em Boca. Que time chato. Não pelo futebol, mas pela personalidade. Parecia que os caras tinham raiva de futebol. Queriam ganhar no grito. Sem técnica queriam ganhar na roubalheira na #catimba, mas não no futebol. Nem mereciam chegar na Final. Pelo bem do esporte, o Boca deveria perder.

Agora vamos ver como este time se prepara para o Mundial de clubes. Não pode ficar pensando no Chelsea e fazer como o Inter em 2010. Apesar de não ser corintiano, acho que no mundial vou torcer muito por eles. Pois os jogadores e o treinador merecem.

terça-feira, 3 de julho de 2012

Legado de Copa e Olimpíadas será a negligência?

Há alguns meses dei uma pesquisada sobre quais seriam os pontos positivos e negativos da realização da Copa e Olimpíadas no Brasil. Percebi que só achei pontos positivos em sites oficiais. Os jornalísticos estão todos com um pé atrás e é muito fácil achar notícias, matérias, e opiniões de profissionais imparciais que duvidam que os pontos positivos serão maiores que os negativos.

Já publiquei aqui três posts destacando o que devem ser os principais pontos positivos da realização destes eventos no Brasil. Já falei da geração de empregos, do turismo e dos investimentos. Comecei pelo lado otimista. Agora, quero escrever mais dois textos destacando o lado negativo disso tudo.

Negligência no Pan
Quando ouço políticos falando do legado da Copa e legado das Olimpíadas, lembro-me da mesma ladainha sobre o legado do Pan. Você saberia dizer o que o Pam deixou de bom para o Rio de Janeiro? Certamente quem mora no Rio, ou Niterói, sabe: nada. Pelo contrário são inúmeros problemas trazidos por uma organização medíocre e incompetente. 

Em outro texto escreverei sobre a corrupção, mas só para termos uma ideia, o Engenhão terá um payback (retorno sobre o investimento) de 150 anos. Ou seja, o que foi gasto só será recuperado em 150 anos. Imagine dez ou doze estádios com o mesmo payback. O Brasil só recuperaria este dinheiro em mais de 1500 anos, #émole?

Construções abandonadas
A maioria dos prédios que foram construídos para os Jogos Pan-americanos de 2007, hoje estão abandonados. Alguns exemplos são o centro aquático Maria Lenke, a pista de ciclismo (velódromo), as instalações da disputa de caiaque e vários outros.

A pista de ciclismo, por exemplo, está tão ruim que precisa de uma reforma tão cara quanto uma pista nova. Outros prédios estão tão ruins que nem podem ser reformados, serão demolidos para construção de novos prédios.

A vila Pan-americana, por exemplo, ficou abandonada e  transformou-se em condomínio, agora será necessário construir uma vila olímpica para as Olimpíadas. Ora, por que já não fizeram uma vila Pan-americana que servisse para as Olimpíadas? Alguém ganhou e ainda vai ganhar muito dinheiro com isso e certamente não é o povo.

Em 2007, o Rio de Janeiro realizou os jogos Pan Americanos e pouca coisa boa restou. Só na vila olímpica, uma pequena parte de tudo o que será construído, o superfaturamento foi de cerca de 10 milhões de reais.

População ignorada - Eventos do povo?
Neste processo todo, a população é simplesmente ignorada. Em um país que milhares vão às ruas para comemorar um título de futebol, realizar parada gay, marcha para Jesus e passeata pela legalização da maconha, os políticos "pintam e bordam" descaradamente sem serem incomodados.

Para finalizar, ouça esta matéria superinteressante da rádio Bandeirantes sobre o legado do Pan. Serão dez minutos esclarecedores.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Anti-Corinthians mais chatos que corinthianos

Qualquer um que me conhece, ou o blog, sabe que sou contra qualquer tipo de fanatismo (futebol, política, religião) e trato o futebol como mais um entretenimento. Podemos nos emocionar, torcer contra, torcer a favor, mas tudo dentro de limites. Um time ganhar, perder, ser campeão ou rebaixado não vai mudar minha vida, minha profissão tampouco irá resolver meus problemas, ou pagar minhas contas.

Pensei neste texto porque #naoaguentomais as mensagens anti-Corinthians no Facebbok e no Twitter. Para quem não sabe sou torcedor do São Paulo, e estou ficando indignado com tanto fanatismo aflorado - independente de ser por este ou aquele time. Parece que seremos promovidos ou rebaixados dependendo do que acontecer na quarta-feira.

Fanatismo burro
Torcer, se emocionar, gritar; nada contra a experiência emocionante de um jogo de futebol, ainda mais em decisões e torneios importantes, mas o brasileiro parece que vai de mal a pior.

Espero que os dois leitores deste blog possam parar para pensar qual o seu grau de fanatismo pelo futebol Se está a ponto de brigar, discutir, passar horas na internet tudo por um time, uma seleção ou por um esporte, está na hora de refletir um pouco e focar sua vida em coisas mais importantes: trabalho, família, bem-estar...

Futebol não é orgulho nacional
Lembro daqueles que até confundem o futebol com questão de patriotismo, orgulho nacional. Tratam jogos, competições e Copas do Mundo como questão de "vida ou morte", "Libertadores é  Guerra", "Copa do Mundo é o orgulho nacional".

Gostaria de viver em um país que o orgulho fosse a economia, a saúde, a educação, os prêmios "Nobels" (nem pesquisei o plural de Nobel), a tecnologia, o campo de pesquisa...

Amados argentinos
Ignorantes @Pedantes que odeiam argentinos porque são nosso maior rival no futebol. Imbecis Desinformados que que torcem contra um povo, uma nação por rivalidades esportivas.

Quebram ônibus, destroem metrôs, apedrejam carros, e tantos outros absurdos por uma derrota, ou vitória.

Àqueles que confundem esporte com civilidade, meus lamentos.Pois eu torço pelo Esporte e disso tenho desfrutados bons momentos de entretenimento.

Sobre a Libertadores. Só espero que corinthianos e anti-corinthians não passem dos limites nas comemorações, mas conhecendo meu povo, acho difícil e já me preparo para o pior: quebra-quebra, polícia, ambulância... Viva o país do futebol!

Leia Também

Os internautas também curtiram